Frases
Home - Outras Frases

Frases de Machado De Assis

Não levantes a espada sobre a cabeça de quem te pediu perdão.

A saudade é o passar e o repassar das memórias antigas.

A soberania nacional é a coisa mais bela do mundo, com a condição de ser soberania e de ser nacional.

Não há como um grande segredo para ser divulgado depressa.

A exceção só é odiosa para os outros.

O trabalho é honesto; mas há outras ocupações menos honestas e muito mais lucrativas.

Tudo cansa, até a solidão.

Sentenças latinas, ditos históricos, versos célebres, brocardos jurídicos, máximas, é de bom aviso trazê-los contigo para os discursos de sobremesa, de felicitação ou de agradecimento.

Cada passo do século renova o anterior e a cada geração cabem os seus profetas.

A vida, mormente nos velhos, é um ofício cansativo.

Maria Benedita era mulher, posto que mulher, esquisita.

Deus, para a felicidade do homem, inventou a fé e o amor. O Diabo, invejoso, fez o homem confundir fé com religião e amor com casamento.

A verdadeira ciência não é aquela que se incrusta para ornato, mas a que se assimila para nutrição.

O conto-do-vigário é o mais antigo gênero de ficção que se conhece.

Botas apertadas são venturas da terra, pois fazendo doer os pés, dão azo ao prazer de as descalçar.

O casamento não é uma solução:é um ponto de partida.

Não precisa correr tanto; o que tiver de ser seu às mãos lhe há de ir.

A ingratidão é um direito do qual não se deve fazer uso.

O casamento acalma os afetos para os tornar mais duradouros.

Não nos aflijamos se o socialismo apareceu na China primeiro que no Brasil. Cá virá a seu tempo. Creio até que já há esboço dele.

Coração e charuto são símbolos um do outro; ambos se queixam e se desfazem em cinzas.

Se eu houvesse de definir a alma humana... diria que é uma casa de pensão. Cada quarto abriga um vício ou uma virtude.

Creia em si, mas não duvide sempre dos outros.

O maior pecado, depois do pecado, é a publicação do pecado.

O acaso... é um deus e um diabo ao mesmo tempo.

Na mulher o sexo corrige a banalidade. No homem, agrava.

Ao verme que primeiro roeu as frias carnes do meu cadáver, dedico como saudosa lembrança estas memórias póstumas.

A melhor definição do amor não vale um beijo.

Não se ama duas vezes a mesma mulher.

A monotonia é a morte. A vida está na variedade.

O aplauso público é o mais ruidoso, mas menos tocante que a aprovação doméstica.

O louvor e a censura fazem-se com poucas palavras.

A solidão e o silêncio são asas robustas para os surtos do espírito.

Mas o tempo, o tempo caleja a sensibilidade.

Tudo se pode amar muito bem, ainda que um pedaço de madeira velha.

Não é amigo aquele que alardeia a amizade: é traficante; a amizade sente-se, não se diz.

O perdão não é um dever, porém uma esmola que se faz à consciência culpada, e tanto basta para o desempenho da caridade cristã.

Tão certo é que a paisagem depende do ponto de vista, e que o melhor modo de apreciar o chicote é ter-lhe o cabo na mão.

O destino, como os dramaturgos, não anuncia as peripécias nem o desfecho.

A região dos sonhos é a minha Casa da Moeda.

Suporta-se com paciência a cólica dos outros.